Matérias
Amazonas

Academia em Manaus é condenada a pagar R$ 20 mil por discriminação a homem cadeirante

Juiz destaca falha na prestação de serviços e violação do Estatuto da Pessoa com Deficiência

Escrito por
Thiago Freire
March 11, 2024
Leia em
X
min
Compartilhe essa matéria
Foto: shutterstock

Uma academia localizada na avenida Constantino Nery, zona Centro-Sul de Manaus, foi condenada pelo juiz Jorsenildo Dourado do Nascimento, do 18.º Juizado Especial Cível, ao pagamento de indenização por danos morais no valor de R$ 20 mil a um homem cadeirante, por impedi-lo de exercitar-se no local. A decisão foi proferida na última quarta-feira (6).

Leia Também

O processo revelou que o homem, após pagar a matrícula, foi abordado por uma funcionária da academia enquanto utilizava os equipamentos de musculação. Ele foi informado que não seria aceito por ser cadeirante e que somente poderia utilizar os aparelhos com auxílio de um personal trainer, mesmo tendo procurado praticar exercícios físicos por recomendação médica.

A academia, representada pela parte requerida, foi devidamente citada, mas deixou de apresentar contestação no prazo estipulado, resultando na decretação de sua revelia. O juiz destacou a flagrante falha na prestação de serviços pela academia, considerando a exigência da contratação de um personal trainer sem respaldo legal e a prática de um ato discriminatório contra o cadeirante, violando o Estatuto da Pessoa com Deficiência.

Diante disso, o juiz determinou a indenização por danos morais, com juros de 1% da citação e correção monetária até a data da decisão. A sentença sublinha a importância da proteção integral às pessoas com deficiência e a atuação clara, transparente e empática dos fornecedores e prestadores de serviços.

No items found.