Matérias
Brasil

Brasileiros querem carros elétricos, mas montadoras vão para lado oposto

O primeiro obstáculo é o preço, já que a faixa mais vendida de carros no país está entre R$ 85 mil e R$ 110 mil

Escrito por
Redação
February 19, 2024
Leia em
X
min
Compartilhe essa matéria

Uma pesquisa da KPMG revelou que 89,7% dos brasileiros desejam carros elétricos como opção de compra. No entanto, esse sonho de consumo se torna distante devido ao preço elevado, à falta de infraestrutura e ao desinteresse das principais montadoras.

Com exceção das empresas chinesas, as principais montadoras não apostam em carros 100% elétricos, preferindo mirar em híbridos e etanol como alternativas para diminuir a emissão de gás carbônico. O Brasil não está sozinho nesse recuo, pois outros grandes mercados, como Índia e Japão, também reduziram o foco nos carros elétricos.

Leia Também

O primeiro obstáculo é o preço, já que a faixa mais vendida de carros no país está entre R$ 85 mil e R$ 110 mil, enquanto a maioria dos veículos elétricos tem valor acima desse intervalo. Além disso, fatores como a rede de concessionárias, acesso a peças, reputação do veículo e depreciação também são avaliados pelos consumidores na hora da compra.

Outro desafio é a falta de infraestrutura para a recarga. Cidades com menos de 1,5 milhão de habitantes não possuem locais para carregar as baterias, e apenas metade dos 4.000 pontos de recarga no Brasil estão no estado de São Paulo.

A nova legislação fiscal, chamada de IPI Verde, também tende a privilegiar o etanol em detrimento dos carros 100% elétricos, o que beneficia a Toyota, única montadora com essa tecnologia no Brasil.

Diante desses entraves, as montadoras tradicionais no mercado nacional estão apostando em outras soluções, como híbridos e álcool. Enquanto isso, as fábricas chinesas, como a BYD, estão na contramão e investem em carros 100% elétricos, projetando estar entre as três marcas mais vendidas do Brasil daqui a cinco anos.

Apesar dos desafios, a tendência mundial é a adoção dos carros elétricos, e a BYD acredita que o mercado brasileiro já está pronto para essa mudança de cultura.

No items found.